Estudantes da Una vencem Anima Nest

A startup Zootek, formada por alunos da Una Sete Lagoas foi campeã do Anima Nest 2018.

O evento é promovido pelo Grupo Ânima como forma de incentivo à criação de negócios inovadores e das habilidades empreendedoras para novas startups. A premiação foi entregue durante o encerramento do evento, no último sábado, dia 15 de dezembro.

Ao observar algumas doenças que geraram graves problemas para a saúde do país como a Dengue, Leishmaniose, Raiva, Esporotricose, Esquistossomose, esses alunos desenvolveram a plataforma Simaze. A ferramenta é voltada para alta análise e monitoramento de Zoonoses e Arboviroses nos municípios brasileiros. O projeto tem como premissa básica a entrega de informações precisas e confiáveis em tempo hábil, por meio de soluções tecnológicas inovadoras ao mercado. Facilitando assim a identificação das áreas que podem se tornar pontos focais das doenças.

A ideia da startup começou após Pedro Henrique, aluno de Engenharia Elétrica da Una, contrair Dengue e descobrir que é muito arcaico o processo de coleta e transmissão de informação a respeito do Aedes. A Zootek surgiu então justamente para suprir essa necessidade, automatizando e informatizando os processos.

Sobre a conquista do primeiro lugar no Anima Nest, Pedro celebra os próximos passos. “É muito gratificante, pois vendo a grandeza do mesmo, estamos conseguindo alavancar ainda mais nosso projeto junto às prefeituras, uma vez que nos apresentamos como o projeto vencedor do Ânima Nest. Nosso prêmio será revestido em infraestrutura para o projeto, pois sabemos da importância investir no crescimento de nossa startup. A Una foi de suma importância, pois além de ter nos acolhido, nos ofereceu toda a estrutura necessário como as mentorias, workshops, palestras e treinamentos, que foi fundamental para o crescimento de nosso projeto”, conta.

Essa é a segunda vez consecutiva que alunos da Una alcançam o primeiro lugar no programa. Para Flávio Calado, coordenador do Anima Nest, os estudantes da instituição demonstraram forte engajamento. “A Una registrou um grande número de inscrições. Foram 68 projetos inscritos para concorrer às 15 vagas ofertadas”, declara.

“O Anima Nest desperta em todos os participantes um espírito empreendedor. No decorrer das nove semanas de projeto, os estudantes passaram por um crescimento intelectual e pessoal. Grupos que se apresentaram de forma tímida, ao longo do projeto amadureceram. Foram se remodelando de acordo com a necessidade de desenvolvimento da ideia apresentada. O Anima Nest promoveu uma integração entre estudantes de diversas áreas de conhecimento para a construção de propostas de negócios inovadoras, além de muito bem estruturadas”, conclui Flávio Calado.